“UM GRANDE MISTÉRIO DE FUNAKOSHI” 船越翁のミステリー

Artigo original escrito pelo Shihan Yokota Kousaku
http://asaikarate.com/a-big-mystery-of-funakoshi-船越翁のミステリー…/

Tradução/Edição: Leandre Ricardo Rosa
***

Presumo que todos os leitores saibam que Gichin Funakoshi é conhecido como o pai do karatê moderno. É um fato histórico bem conhecido que Funakoshi foi um dos primeiros praticantes de Te (antigo nome do karatê) a serem despachados de Okinawa para o Japão continental, ou seja, Tóquio para introduzir o karatê. Sua primeira visita ao continente foi em 1917, mas foi uma visita muito curta. Quando ele fez a segunda caminhada em 1922, aos 54 anos, estava destinado a permanecer até a morte, embora tivesse planejado retornar inicialmente após uma curta estadia, como a primeira viagem, cinco anos antes.

Embora houvesse alguns outros mestres de karatê em Okinawa, como Uechi Kanbun, Mabuni Kenwa e Motobu Choki visitar o continente para ensinar karatê, Funakoshi foi o mais bem-sucedido, por isso recebeu o título de “Pai do karate moderno”. É um assunto muito interessante para discutir por que ele teve tanto sucesso, mas não vamos abordar isso neste ensaio. Pelo contrário, gostaria de discutir onde ele “falhou”.

Existem muitos mistérios sobre Funakoshi e suas atividades no Japão continental. Alguns desses mistérios são bem conhecidos, como ele criou o kokutsu dachi e desenfatizou o nekoashi dachi. Eu já escrevi sobre alguns desses mistérios antes. Se você estiver interessado nelas, procure meus livros disponíveis na Amazon Books.

O mistério que vou escrever neste ensaio é bastante desconhecido não apenas no exterior, mas também no Japão. Isto é assim porque é quase como um assunto tabu. Em outras palavras, os praticantes e instrutores japoneses seniores são desencorajados a tocar nesse assunto. Então, qual é o mistério e por que é um tabu?

Funakoshi chegou a Tóquio em 1922 e ficou lá até sua morte em 1957. Tinha 88 anos quando faleceu. Sua idade é impressionante quando a expectativa média de vida do homem japonês naquela época era inferior a 50 anos. Obviamente, o Japão passou por uma guerra e isso manteve os números baixos. No entanto, isso prova que ele era muito saudável e ativo.

Então, aqui está o grande mistério. Você sabia que ele nunca havia retornado a Okinawa? Ele ficou em Tóquio por quase 35 anos.

Alguns mencionam que Funakoshi fez uma visita muito rápida e secreta a Okinawa em 1941, pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial (foto). No entanto, os muitos documentos históricos sobre ele, nunca mencionam nenhuma viagem de volta. Eles parecem evitar esse assunto ou ignorá-lo. De fato, não vi nenhum documento escrito em inglês que mencionasse seu retorno. Se algum dos leitores vir esse documento, eu gostaria de saber sobre ele.

Mesmo que seja verdade que ele voltou a Okinawa uma vez, não é um pouco estranho o fato de haver poucas visitas no período de 35 anos? Sua esposa e filhos permaneceram em Okinawa e ele não queria visitá-los com mais frequência?

Embora seus filhos tenham chegado a Tóquio para se juntar a ele, a Sra. Funakoshi nunca veio a Tóquio visitá-lo, nem uma vez. Isto não é natural. Tem que haver uma boa razão e eu compartilharei a resposta para esse mistério.

Eu fiz minha investigação, mas certamente não foi fácil encontrar documentos falando sobre isso. É por isso que digo que talvez esse assunto seja um tabu. Eu me perguntava por que ninguém parecia querer tocar nesse assunto do por que Funakoshi nunca voltar a Okinawa. Aqui estão meus pensamentos iniciais.

Eu me perguntei se ele era pobre demais para viajar. Sabemos que ele era professor em Okinawa e, portanto, não era rico. O ensino de karatê não o enriquece hoje em dia e tenho certeza de que foi da mesma forma quando Funakoshi estava ensinando karatê para os estudantes de Tóquio.

Agora vamos ver quanto custaria se uma pessoa quisesse viajar para Okinawa no início do século XX. Como Okinawa era uma ilha remota, podemos facilmente adivinhar que o custo da viagem não era muito barato. Ao verificar os documentos históricos sobre a tarifa do navio entre Tóquio e Okinawa no início do século XX, descobri que eram de 15 a 40 ienes, dependendo da classe que, traduzida para a moeda atual, fica aproximadamente entre US $ 2000 e US $ 4000 (uma viagem de ida e volta). Demorava vários dias de ida de barco entre Tóquio e Okinawa.

OK, sabemos que Funakoshi não estava bem e a tarifa do navio era bastante cara. Apesar disso, não acredito que esse tenha sido o único motivo para ele ficar longe de Okinawa e nunca mais voltar para casa. Se ele realmente quisesse, mas não tivesse o dinheiro, poderia ter emprestado facilmente. Ele tinha muitos apoiadores e estudantes dedicados que o respeitavam e o teriam ajudado. Tenho certeza de que eles ficariam felizes em emprestar se não lhe desse o dinheiro necessário.

Vamos pensar nele. Ele estava morando sozinho em Tóquio. Em sua idade, ele poderia ter passado seus dias em uma aposentadoria confortável. Você acredita que ele não sentiu falta de sua casa, seus filhos e sua esposa? Eu apostaria um milhão de dólares que sim. Se não fosse a razão financeira, o que mais poderia ser? Ele estava muito ocupado com seus ensinamentos?
Eu duvido. Ele tinha muitos assistentes, incluindo seu filho, Gigo ou Yoshitaka que estava ajudando seu pai na década de 1930. Portanto, Funakoshi Pai poderia ter pedido que vigiassem o dojo para que ele pudesse retornar a Okinawa para ver sua esposa e sua sepultura familiar.

Por muitos anos, me perguntei por que ele não voltou e não foi possível encontrar a resposta. Um documento afirmava que a sra. Funakoshi optou por não se mudar para Tóquio porque alguém tinha que vigiar o túmulo da família Funakoshi.
Esse é um papel importante e deve ser feito por um homem da família ou de sua esposa. Eu, sendo japonês, posso entender esse motivo. Portanto, mesmo que acreditemos que a Sra. Funakoshi não pudesse se mudar para Tóquio, ainda não sabemos por que Funakoshi não voltou a Okinawa para ver sua esposa e visitar o túmulo da família (mesmo que ele tenha feito isso uma vez em 1941).

Então, estudei mais a história de Okinawa. Ao aprender mais sobre isso, entendi melhor o povo de Okinawa. Eles tiveram um lado oculto ou sombrio de sua história durante os últimos séculos. Não vou entrar em detalhes do lado sombrio, pois precisamos nos concentrar na situação de Funakoshi.

Aqui está um resumo da história de Okinawa durante os últimos séculos. No período medieval (14 a 19 séculos), Okinawa permaneceu como um país independente chamado Reino Ryukyu. Em 1429, o rei Sho, completou a unificação dos três reinos das ilhas. Ele estabeleceu um reino com sua capital em Shuri, agora parte da cidade de Naha. Eles negociaram com o Japão e a China durante todo esse período.

Até o início do século XVII, o Reino Ryukyu desfrutava de total liberdade e prosperidade. No entanto, em 1609, o Clã Satsuma, um dos Daimyo da Ilha Kyushu, invadiu os castelos de Naha e Shuri. Com uma enorme capacidade militar, o exército de Satsuma rapidamente ocupou a ilha. Após algumas breves batalhas, o rei do Reino Ryukyu se rendeu formalmente. Satsuma manteve o Teino Ryukyu independente, com algumas restrições e demandas. Uma das exigências era que todos os samurais do Reino tivessem que desistir de todas as armas, como espadas, lanças, armas, etc. Mesmo que houvesse algumas pessoas de Ryukyu que resistiram às mudanças, em geral elas aceitaram essas demandas e mudanças como eles poderiam continuar o reino com seu rei Sho.

Essa condição e os termos duraram até meados do século XIX. O que aconteceu com o Japão, que manteve o isolacionismo durante toda a sua história.

Foi a visita de um navio americano que afetou não apenas o Japão, mas também Ryukyu. Em 1853, o comodoro Matthew Calbraith Perry chegou ao Japão e exigiu que o Japão abrisse seus portos. A abertura da porta não foi tranquila ou sem sangue. No final, o Shogunato Tokugawa assinou de má vontade o acordo com os EUA em 1854. Conseqüentemente, o Shogunato perdeu seu poder e o novo governo foi formado em 1868. Essa reforma ou revolução é chamada Restauração Meiji, onde o imperador recuperou seu poder governante.

Com essa mudança, o novo governo japonês mudou o status do Reino Ryukyu. Em 1872, o governo os forçou a chamar Ryukyu Han (Domínio), em vez de Okoku (Reino). O povo Ryukyu seguiu como seu rei permaneceu como o topo dos Han. No entanto, em 1879, o governo ordenou a mudança do status novamente para transformar Ryukyu Han na província de Okinawa. Com essa mudança, o fim do Reino foi anunciado e seu último rei, Sho Tai teve que se mudar para Tóquio. Embora essas mudanças sejam inevitáveis, também é verdade que muitas pessoas Ryukyu não as aceitaram.

O grupo revoltoso que resistiu foi chamado Gankoto, significado literal é grupo ou partido mais teimoso, porque eles não queriam aceitar as mudanças e queriam manter os costumes antigos.

Para o povo Gankoto, quaisquer mudanças ou coisas novas vindas de Tóquio eram uma coisa ruim e a serem resistidas. Qualquer um do povo de Ryukyu, incluindo oficiais e líderes, foram criticados e às vezes atacados.

Eu sei que cortei a história de Okinawa, mas tive que fazer isso para colocar mais de 500 anos de história em menos de duas páginas. Espero que os leitores possam ter uma idéia geral do que aconteceu com Okinawa desde a época medieval até o início do século XIX, quando Funakoshi se mudou para Tóquio.

Com esses fatos históricos sendo estudados, cheguei à seguinte hipótese. O que vou compartilhar aqui pode não me tornar popular no mundo Shotokan e posso receber muito ceticismo. Alguns dos karatecas de Okinawa podem negar minha conclusão. No entanto, ainda preciso compartilhar o que encontrei e agora acredito qual era a situação.

Os fatos parecem indicar que não era que Funakoshi não desejasse retornar a Okinawa. O triste fato parece ser que ele simplesmente não pôde voltar. Não foi por causa da razão financeira ou de sua agenda lotada, mas por razões políticas e culturais. Deixe-me explicar e apresentar duas razões principais:

Razão 1: Gankoto

Os membros de Gankoto que eu mencionei acima consideravam Funakoshi como um traidor. O povo Gankoto ficou chateado, em primeiro lugar, por Funakoshi ter usado o “Te” para levar a cultura de Okinawa à capital do Japão. Gankoto queria manter a independência e não queria cooperar com o governo japonês.

Eles também acreditavam em “Te” como uma herança valiosa e única de Okinawa, e que não deveria ser ensinada aos forasteiros, nem mesmo às pessoas do continente. Funakoshi ensinou “Te” a centenas, senão milhares, de estudantes universitários que moravam em Tóquio, a capital do Japão. Para eles, era um ato traidor.

Essas pessoas revolucionárias podiam ser muito violentas. Estou certo de que Funakoshi esperava isso e que os membros de sua família o informaram da situação. Era melhor e mais seguro para sua esposa ficar longe de Funakoshi. Se ele tivesse voltado para sua casa, muitos membros de Gankoto poderiam ter vindo e causado alguns problemas sérios aos membros da família. Eu não acho que Funakoshi temia por sua própria segurança, mas ele queria evitar os problemas e possíveis danos aos membros de sua família. É por isso que acredito que ele escolheu não voltar.

Razão 2: Mestres de Okinawa

Embora a comissão dos mestres de Okinawa, (Chorokai), tenha escolhido Funakoshi para viajar ao Japão para demonstrar “Te” em 1922, eles não esperavam que ele o promovesse tanto em Tóquio e permanecesse lá por tantos anos.
Na verdade, eles esperavam que ele voltasse logo após a demonstração.

Aqui está outro fato triste que o povo Shotokan pode não gostar de ouvir. Mestre Funakoshi, quando se mudou para Tóquio, não era considerado um dos membros seniores de Okinawa. Isso pode ser comprovado quando você lê os livros escritos pelos mestres de Okinawa. Há pouca menção a Funakoshi e eles não dão muito crédito a ele quando falam sobre o desenvolvimento do karatê.
Outra prova de que Funakoshi não era bem-vindo em Okinawa naquela época.

O seguinte evento foi documentado que houve uma reunião oficial dos Mestres de Karatê em Shuri Okinawa em Showa 11 (1936) para discutir os planos futuros para o karatê. Os participantes foram Hanashiro Chomo, Kiyan Chotoku, Motobu Choki, Miyagi Chojun, Kyoda Juhatsu, Chibana Choshin, Koroku Chotei, Gasukuma Shinpan e Nakasone Genwa. Dois nomes de karateka que moravam no continente, Funakoshi e Mabuni, estavam desaparecidos. É interessante que Motobu também estivesse morando no continente (Osaka) retornou a Okinawa para participar da reunião.
Isso prova meu argumento, pois parece que o comitê convidou apenas Motobu do continente para a reunião.

Em 1936 (14 anos após sua demonstração inicial), Funakoshi estava mostrando um sucesso muito maior na promoção do karatê, tornando-se conhecido e respeitado entre os artistas marciais do continente. Não faz sentido não convidá-lo para a reunião em que discutiram o futuro do karatê.

Devo concluir que os mestres em Okinawa não gostaram do que Funakoshi estava fazendo no Japão. Na verdade, eu entendo que eles tinham sentimentos mistos com suas atividades e sucesso em Tóquio. Em certo sentido, eles estavam felizes por “Te” ter ganhado popularidade em Tóquio. Por outro lado, eles não ficaram muito satisfeitos com o fato de Funakoshi estar fazendo muitas mudanças.

A maior mudança, provavelmente, foi o nome de sua arte, “Te de Tode“ (que significa mão chinesa) para Karatê (que significa mão vazia). Outro foi o nome de muitos kata, como Kanku de Kushanku, Heian de Pinan, Tekki de Naifanchi, etc. Ele mudou algumas das técnicas como yoko geri de mae geri e kokutsu dachi de neko ashi dachi. Ele também adotou várias coisas no judô, como usar um Gi, sistema de classificação de dan, faixa preta, etc. Há quase muitos para mencionar. Eu escrevi um ensaio sobre as mudanças de Funakoshi.
Consideramos essas mudanças como melhorias. No entanto, os mestres seniores de Okinawa não gostaram delas, pois queriam que sua arte permanecesse inalterada. Eles podem ter sido um pouco ciumentos também, mas talvez nunca saibamos. Por que Funakoshi decidiu mudar muitas coisas de “Te” é outro assunto muito interessante e importante. Embora eu apóie o que ele fez, não vou abordar esse assunto neste ensaio.

Escrevi outro ensaio discutindo Funakoshi e as mudanças que ele fez em um dos livros que publiquei. Embora esse ensaio não cubra todas as mudanças que ele fez, explica as principais razões pelas quais ele “teve que” fazer algumas dessas mudanças. Se você estiver interessado neste assunto, recomendo que você obtenha uma cópia dos Shotokan Mysteries (Capítulo 1), disponível na Amazon Books.

Conclusão:

Funakoshi temia que os membros de Gankoto causassem algum dano à sua família se ele voltasse. Essas pessoas foram violentas em algumas situações, portanto Funakoshi optou por não causar problemas ao retornar a Okinawa.

Ele também mudou muitas coisas de “Te” sem discutir ou receber uma aprovação da Chorokai. Assim, ele sabia que não era muito bem-vindo pelos mestres de Okinawa. Se ele retornasse, teria que enfrentá-los. Podemos facilmente adivinhar que aqueles mestres seniores de Okinawa o teriam acusado pelas mudanças. Eles podem até ter exigido que ele revertesse as mudanças.

Funakoshi era um homem educado e viu o que estava acontecendo em Tóquio. Todo o Japão estava passando pela maior mudança cultural e política. Ele estava convencido de que essas mudanças em “Te ou Tode” eram bastante necessárias se ele quisesse que o karatê fosse adotado pela principal sociedade japonesa de artes marciais. Acredito que ele estava certo e estou impressionado com sua capacidade de adotar e ser criativo.

Por outro lado, os mestres seniores de “Te“ em Okinawa na época não estavam bem informados não apenas sobre as artes marciais japonesas, mas também, mais importante, sobre as principais mudanças sociais que o próprio Japão estava passando. Por esse motivo, Funakoshi imaginou que seria impossível convencê-los, e decidiu não visitar Okinawa.

No início deste ensaio, escrevi que gostaria de discutir onde ele “falhou”. Coloquei aspas na palavra falhou porque não acredito que Funakoshi falhou em suas atividades em Tóquio. Ele fez um grande sucesso em Tóquio e tornou-se pai do karate moderno. Apesar disso, ele não pôde obter a aceitação e o devido respeito que merecia dos karateca de Okinawa. Infelizmente, foi aí que Funakoshi falhou.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *